1ª Reunião de Acolhimento de 2018

1ª Reunião de Acolhimento aconteceu no dia 17 de março de 2018

AMAR - Associação Amigos do Autista de Registro

Rua José de Carvalho nº290 - Bairro Nosso Teto - Registro-SP - (13)99631-9805

Caminhada dia Mundial da Conscientização do Autismo

Caminhada dia Mundial da Conscientização do Autismo em Registro-SP - (02/04/2018)

Caminhada dia Mundial da Conscientização do Autismo

Caminhada dia Mundial da Conscientização do Autismo em Registro-SP - (02/04/2018) - Unisepe

Entrega do Oficio do Pedido de um Neuropediatra

Entrega do Oficio do Pedido de um Neuropediatra para o Governador Geraldo Alckmin - (01/04/2018)

terça-feira, 23 de junho de 2015

Depoimento de um garoto com Síndrome de Asperger

Se tem uma coisa que ainda é um mistério para o mundo da ciência é o cérebro autista, apesar do avanço da tecnologia e dos estudos científicos, pouco se sabe concretamente sobre isso.

Existem estudos, teses, teorias, mas como cada anjo azul é singular, ou seja, único, acho que nada mais justo ouvir do próprio o que é que se passa em sua mente.

No vídeo abaixo, Alex Olinkiewcz, de 16 anos, portador de Síndrome de Asperger (forma mais leve do autismo). descreve o que acontece em sua mente diante de determinadas situações, como ele as encara. Sobre seu modo de ver, compreender e interagir com o mundo.

Entender como funciona a mente do seu anjo azul, ainda que ás vezes pareça difícil e confuso, já é um grande passo para conseguir ajudá-lo de forma mais efetiva. E acredito que esse vídeo ajude a esclarecer algumas, das inúmeras, duvidas que nos permeiam diante deste transtorno de desenvolvimento tão complexo.





sexta-feira, 5 de junho de 2015

Sinais da Síndrome de Asperger

Sinais da Síndrome de Asperger

Síndrome de Asperger é uma desordem grave de desenvolvimento, o que acarreta uma perturbação neurobiologicamente alvejado no processamento de informações. A pessoa que apresenta-se olhar e normal ou até mesmo inteligência acima da média, apresenta um estilo cognitivo particular e muitas vezes, as habilidades especiais em áreas restritas.
Síndrome de Asperger se manifesta de forma diferente em cada indivíduo, mas todos compartilham as dificuldades de interação social, especialmente com as pessoas de sua própria idade, mudanças no padrão de comunicação não-verbal, interesses restritos, cognitiva e inflexibilidade comportamental, dificuldade abstrair conceitos, coerência central fraca em favor de detalhes de processamento, interpretação literal de dificuldades de linguagem em funções executivas e de planejamento, interpretação dos sentimentos e emoções dos outros e de si mesmos.
Assume uma inaptidão para compreender o mundo social, que se manifesta insuficiência do nível de comportamento social, proporcionando-lhes e seus problemas familiares em todas as áreas. Déficits sociais estão presentes nas áreas de linguagem, dificuldades no ritmo da conversa e muitas vezes a alteração da prosódia (entonação, volume, timbre, etc.) também tendem a ser os padrões de grávidas de contato com os olhos, gestos, etc. . Na maioria dos casos, as dificuldades na coordenação motora
Habilidades Sociais Emocionais:
- Relaciona-se melhor com adultos do que com crianças da mesma idade.
- Normalmente não gosta de contato social.
-Tem problemas para brincar com outras crianças.
- Quer impor suas próprias regras quando joga com os seus pares.
- Não entende as regras implícitas no jogo/brincadeira.
- Prefere brincar sozinho.
- A escola é uma fonte de conflitos com os colegas.
- Não gosta de ir à escola.
- Não está interessado em esportes de equipe.
- Dificuldade participar de esportes competitivos.
- Quando quer alguma coisa, quer imediatamente.
- Têm dificuldade em compreender as intenções dos outros.
- Não está preocupado com os mais recentes brinquedos da moda, cartões comerciais, séries de TV ou roupas.
- Tem pouca tolerância à frustração.
- Se esforça para identificar seus sentimentos e tem reações emocionais exageradas.
- Chora com facilidade por pequenos motivos.
- Uso de Esteriotipias
- Tem mais acessos de raiva do que o normal para a sua idade quando quer algo.
- Falta empatia: intuitivamente compreender os sentimentos de outra pessoa.
- Você pode ser ofensivo para os outros, sem se dar conta.
- É inocente socialmente e não sabe como agir em uma situação. - - Às vezes, o seu comportamento é inadequado e pode parecer um desafio.
- Sem malícia, é sincero.

HABILIDADES DE COMUNICAÇÃO:
- Não costumo olhar em seus olhos quando você fala.
- Interpretados literalmente frases 
-Não entende a ironia, palavras de duplos sentidos ou sarcasmo.
- Fala em um tom alto e peculiar: como estrangeiro, ou monótona como um robô.
- Tem um tom pedante, hiperformal ou linguagem hipercorrecto com um extenso vocabulário.
- Inventa palavras ou expressões idiossincráticas.
- Às vezes, parece estar ausente (como na lua), imerso em pensamentos.
- Fala muito.
- É um pouco interessado no que os outros dizem.
- Se esforça para compreender uma longa conversa.
- Muda de assunto quando está confuso.

Habilidades de compreensão:
- Se esforça para entender a declaração de um problema com várias frases e precisa de ajuda explicando-o em partes.
- Têm dificuldade em compreender uma questão complexa e lenta para responder.
- Muitas vezes não entendem a razão pela qual você o está repreendendo, quando é criticado ou punido.
- Tem dados excepcionais de Memória, por exemplo: aniversários, fatos e acontecimentos.
- Aprendeu a ler sozinho ou com pouca ajuda em uma idade precoce.
- Seu jogo simbólico é restrito.
- Em geral mostra pouco de imaginação e criatividade.
- É original para abordar um problema ou fornecer uma solução.
- Tem um senso de humor peculiar.
- É difícil entender como se comportar em uma situação social particular.
- Problemas atuais de atenção.

Interesse específico:
- É fascinado por um tema específico e informações ou estatísticas sobre esse interesse avidamente selecionado.
Por exemplo, números, veículos, mapas, ligueras classificações ou calendários.
- Ocupa a maior parte de seu tempo livre pensamento, falar ou escrever sobre o tema.
- Muitas vezes, falar sobre temas que são de interesse, sem aviso prévio;
- Compulsivamente repetir certas ações ou pensamentos. Isso dá segurança.
- Como de rotina. Não tolera mudanças repentinas (rejeita uma saída inesperada).
- Já rituais elaborados que devem ser cumpridos. Por exemplo, se alinhando brinquedos antes de ir para a cama.

Habilidades de movimento:
- Tem problemas de motor finas, refletidos pela escrita.
- Tem fraca coordenação motora grossa.
- dificuldade em brincar com bola.
- Tem um ritmo estranho na execução.
- Tem dificuldades no vestir.
- Dificuldades com abotoadura e cadarços.
- Dificuldades nas atividades de educação física.

Outras características:
- Medo, ansiedade ou desconforto devido a sons comuns, como os aparelhos.
- Desconforto com ruídos inesperados 
- Desconforto com Lugares cheios.
- Certos alimentos por sua textura, temperatura.
- Tendência para agitar-se quando excitado ou angustiado.
- Falta de sensibilidade aos baixos níveis de dor.
- Atraso na aquisição da fala, em alguns casos.
- Sorrisos, espasmos faciais estranhas ou tiques.

Em maio de 2013, no entanto, foi lançada a quinta edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V), que trouxe algumas mudanças importantes, entre elas novos diagnósticos e alterações de nomes de doenças e condições que já existiam.
A Síndrome de Asperger, assim como o autismo, foi incorporada a um novo termo médico e englobador, chamado de Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Com essa nova definição, a síndrome passa a ser considerada, portanto, uma forma mais branda de autismo. Dessa forma, os pacientes são diagnosticados apenas em graus de comprometimento, dessa forma o diagnóstico fica mais completo.
O Transtorno do Espectro Autista é definido pela presença de “Déficits persistentes na comunicação social e na interação social em múltiplos contextos, atualmente ou por história prévia”, de acordo com o DSM-V

Fonte: http://asperger.cl/que_es_el_sindrome.htm

Apresentação sobre a Associação Amigos do Autista de Registro-SP


Apresentação sobre a Associação Amigos do Autista de Registro-SP
                                           

Somos um grupo de pais e familiares de Autistas de Registro-SP, que resolveu se unir para lutar pelos direitos dos nossos "anjos azuis", Colaboração da Professora Selma Lima.
                           
                   

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Reunião com Vereador Marcelo Comeron em Registro-SP

Reunião com Vereador Marcelo Comeron em Registro-SP

Nesta última sexta-feira (29/05) estivemos reunidos com o vereador Marcelo Comeron em seu gabinete em Registro-SP, onde tratamos assuntos referente aos Autistas do município.

A "AMAR" (Associação Amigos do Autista de Registro-SP) repassou ao vereador o projeto da Berenice Piana sobre a "Clinica Escola para os Autistas", e a criação de uma lei municipal do Autista, para que ele possa apresentar na Câmara de Registro-SP.

O vereador Marcelo Comeron se prontificou em ajudar a "AMAR" (Associação Amigos do Autista de Registro-SP) na apresentação do projeto e também na parte jurídica  e burocrática da associação.

Agradecemos desde já o empenho do vereador Marcelo Comeron em ajudar e abraçar a causa dos Autistas de Registro-SP e região.


terça-feira, 2 de junho de 2015

Técnica da Antecipação para diminuir ansiedade de Crianças Autistas

Técnica da Antecipação para diminuir ansiedade de Crianças Autistas

Crianças com autismo possuem um modo particular de processar informações: diante de um fato novo, elas buscam em sua mente alguma imagem correspondente a ele. Se já tiverem se deparado a um fato anteriormente, ao menos uma imagem será encontrada, e elas ficarão tranquilas porque sabem que estão diante de algo pelo qual já passaram antes.
Caso a situação seja nova, entretanto, não encontrarão nenhuma imagem em suas mentes, e por isso ficarão ansiosas e incomodadas. Uma forma de evitar que o desconforto surja é oferecer-lhes imagens daquilo que elas ainda não conhecem para seu repertório mental. Trata-se de uma forma de antecipar a novidade, para que quando ela ocorra de fato a criança já esteja familiarizada e preparada para lidar com ela.
O recurso da antecipação pode ser usado quando a criança passará por alguma mudança de ambiente, seja por motivo de viagem, visita a parentes e amigos, ou mesmo troca de residência ou de escola.
Mostrar a ela uma fotografia do local, explicando com detalhes o que acontecerá lá – se chegará de carro ou a pé, se tocará a campainha, quem irá atender, o que fará ao entrar no local, as pessoas que deverá encontrar – é também uma forma de explicar-lhe qual é o comportamento esperado dela.
A estratégia pode ser bastante útil na escola, sobretudo naquelas onde as crianças tendem a fazer cada atividade em uma sala diferente, o que pode confundir e perturbar a criança com autismo. Para facilitar e otimizar seu tempo, o professor pode utilizar sinais e senhas em vez de descrever detalhadamente uma imagem. Um exemplo dessa tática é habituar-se a mostrar à criança um cartão com a cor da sala – ou da porta, de uma cortina – onde será desenvolvida a atividade a seguir, por exemplo, antes de levá-la ao local.
Ações rotineiras, mas que não fazem parte do dia-a-dia da criança, como cortar os cabelos em um salão, também podem ser mais tranquilas quando se usa a antecipação. A criança pode ficar incomodada com o ruído do salão ou mesmo com a sensação dos cabelos caindo ao seu redor. Mostrar a ela fotografias de cabelos, tesouras, ou, de preferência, do próprio salão, durante alguns dias antes, ajudará a lembrá-la que o único objetivo daquela visita é ganhar um novo corte de cabelos, o que diminuirá sua ansiedade em relação ao que acontece ao seu redor.
Fontes: Desafiando el autismo.

COMO É O CÉREBRO DA PESSOA COM AUTISMO

O cérebro autista, explicado de forma simples e clara pelo médico psiquiatra infantil Caio Adujadi, especialista no assunto.

COMO É O CÉREBRO DA PESSOA COM AUTISMO

COMO É O CÉREBRO DA PESSOA COM AUTISMO
Posted by Síndrome de Asperger - Autismo on Sexta, 6 de fevereiro de 2015

Lei do Autista

Lei do Autista  nº12.764, de 27 de Dezembro de 2012

Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista; e altera o & 3o do artigo 98 da Lei nº8.112, de 11 de Dezembro de 1990.


Lei do Autista

Lei do Autista

Lei do Autista

Lei do Autista

Lei do Autista


Minuta de Decreto - Lei 12.764/2012

Regulamenta a Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012, que institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, alínea “a”, da Constituição, e tendo em vista o disposto na Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, aprovados por meio do Decreto Legislativo nº 186, de 9 de julho de 2008, com status de emenda constitucional, e promulgados pelo Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009 e na Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012,

DECRETA:

Art.1º Este Decreto regulamenta a Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012, que institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista.

Art.2º A pessoa com transtorno do espectro do autismo é considerada pessoa com deficiência, para todos os efeitos legais.
§1º Aplicam-se a todas as pessoas com transtorno do espectro do autismo os direitos e obrigações previstos na Convenção Sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência e na legislação pertinente às pessoas com deficiência.
§2º Fica garantido a todas as pessoas com transtorno do espectro do autismo toda e qualquer política, serviço, programa, projeto e ação direcionado às pessoas com deficiência.

Art.3º Será garantido à pessoa com transtorno do espectro do autismo o direito à saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, respeitadas as suas especificidades.
§1º Ao Ministério da Saúde compete:
I. promover a qualificação e articulação dos pontos de atenção da Rede SUS para atenção adequada das pessoas com transtorno do espectro do autismo, garantindo:
a) o cuidado integral no âmbito da atenção básica, especializada e hospitalar;
b) a ampliação e o fortalecimento dos cuidados em saúde bucal das pessoas com espectro do autismo na atenção básica, especializada e hospitalar;
c) a qualificação e o fortalecimento da rede de atenção psicossocial no atendimento das pessoas com o transtorno do espectro do autismo.
II. a ampliação e o fortalecimento, dentro da rede de cuidados de saúde da pessoa com deficiência, a oferta de serviços às pessoas com transtorno do espectro do autismo que incluam diagnóstico diferencial, estimulação precoce, habilitação/reabilitação e outros atendimentos necessários definidos pelo projeto terapêutico singular, de modo multidisciplinar;
III. garantir a disponibilidade dos medicamentos necessários para o tratamento de pessoas com transtorno do espectro do autismo;
IV. apoiar e promover processos de educação permanente e de qualificação técnica dos profissionais da Rede SUS;
V. apoiar pesquisas que visem o aprimoramento da atenção à saúde e a melhoria da qualidade de vida das pessoas com transtorno do espectro do autismo.
§1º Serão adotadas diretrizes clínicas e terapêuticas contendo orientações relativas ao cuidado à saúde das pessoas com transtornos do espectro do autismo, observando as especificidades de acessibilidade, comunicação e atendimento da pessoa com transtorno do espectro do autismo.
§2º A atenção à saúde à pessoa com transtorno do espectro do autismo tomará como base a Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde - CIF, a Classificação Internacional de Doenças - CID-10, e outros que venham a substituí-las ou a serem incorporados.

Art.4º Será garantida proteção social à pessoa com transtorno do espectro do autismo nas situações de vulnerabilidade e risco por violação de direitos sociais e o acesso a benefícios, serviços, programas e projetos inscritos na Política Nacional de Assistência Social, conforme a Lei 8.742/1993 - Lei Orgânica de Assistência Social (LOAS), e suas alterações, sem prejuízo do previsto nos demais diplomas legais.

Art.5º É dever do Estado, da família, da comunidade escolar e da sociedade assegurar o direito da pessoa com transtorno do espectro do autismo à educação, em um sistema educacional inclusivo, garantida a transversalidade da educação especial, desde a educação infantil até a educação superior.
§1º O direito de que trata o caput será assegurado em todas as políticas de educação, sem discriminação e com base na igualdade de oportunidades, segundo os preceitos da Convenção sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência.
§2º Em casos de comprovada necessidade de apoio às atividades de comunicação, interação social, locomoção, alimentação e cuidados pessoais, a instituição de ensino em que a pessoa com transtorno do espectro do autismo ou outra deficiência estiver matriculada disponibilizará profissional de apoio no contexto escolar nos termos do parágrafo único, art. 3º da Lei 12.764, de 27 de dezembro de 2012.
§3º É de responsabilidade da instituição de ensino, pública ou privada, prover o profissional de apoio e outras adaptações razoáveis, nos termos da Convenção sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência, que sejam necessárias para o ingresso e permanência do aluno na escola, sendo vedada a cobrança de valores diferentes dos praticados com os demais alunos sob essa justificativa.

Art.6º Caberá ao Ministério da Educação apurar administrativamente as infrações e aplicar as multas previstas no art. 7º da Lei 12.764/2012 aos estabelecimentos e instituições de ensino vinculados àquele Ministério, sem prejuízo das responsabilidades cíveis e criminais previstas na Lei 7.853, de 24 de outubro de 1989, e demais normas.
§1º Cabe ao Ministério da Educação apurar as infrações e aplicar a multa no âmbito dos estabelecimentos de ensino vinculados ao Ministério e das instituições de educação superior privadas.
§2º Em caso de recusa de matrícula, o órgão competente ouvirá o gestor escolar e decidirá se haverá aplicação da multa, aplicando-se, no que couber, a Lei nº 9.784, de 29 de janeiro de 1999.
§3º O Ministério da Educação dará ciência da instauração do processo administrativo ao Ministério Público e ao Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência - Conade.
§4º O valor da multa será calculado tomando-se por base o número de matrículas recusadas pelo gestor, as justificativas apresentadas e se há reincidência.
§5º Em caso de reincidência na conduta prevista no art. 6º, o gestor escolar de instituição de ensino público federal ou a autoridade competente, sem prejuízo da aplicação da multa, será destituído do cargo em comissão ou da função de confiança, após processo administrativo, em que lhe seja assegurado o contraditório e a ampla defesa, de acordo com a Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990.
§6º Qualquer interessado poderá denunciar a recusa da matrícula de estudantes com deficiência, ao órgão administrativo competente, sem prejuízo a outras denúncias previstas na legislação.

Art.7º A aplicação das penalidades previstas no art. 7º da Lei 12.764, de 27 de dezembro de 2012, em relação aos gestores escolares de estabelecimentos integrantes dos sistemas de ensino estaduais, distrital e municipais, será regulamentada pelo respectivo ente federativo, sem prejuízo da atuação do Ministério Público e da Justiça.

Art.8º  O Ministério da Educação, a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República ou qualquer órgão da administração pública federal, quando comunicados da recusa de matrícula em instituições de ensino vinculadas aos sistemas de ensino estadual, distrital ou municipal, deverão informar aos respectivos órgãos competentes, bem como ao Ministério Público.

Art.9º A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, juntamente com o Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência - Conade, em articulação com demais órgãos governamentais e a sociedade civil, promoverá campanhas de conscientização sobre os direitos das pessoas com autismo e suas famílias.

Art.10º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.